Relator da ONU diz que governo tem obrigação de proteger Gleen Greenwald

Inscrições para o Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados segue até 08/09
Privacidade Hackeada: espionagem midiática e inocência usuária

Relator da ONU diz que governo tem obrigação de proteger Gleen Greenwald

Imagem: Gleen Greenwald à esquerda - Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo. David Kaye à direita - Burhan Ozbilici/ AP

O relator da ONU para a proteção do direito à liberdade de opinião, David Kaye, enviou uma carta ao Itamaraty, demonstrando preocupação em relação ao assédio que os jornalistas Gleen Greenwald e Leandro Demori, além do deputado David Miranda, vêm sofrendo. 

Desde junho, o The Intercept Brasil tem publicado uma série de reportagens com vazamento de mensagens do Telegram entre os membros da Lava Jato e o ministro da Justiça, Sergio Moro, então juiz.  Desde então, eles têm sido alvo de assédio e perseguição nas redes sociais e até por membros do governo. Na carta, feita em 3 de julho, Kaye alerta que “é obrigação dos Estados instituir medidas eficazes de proteção contra ataques destinados a silenciar aqueles que exercem o seu direito à liberdade de expressão”.

No documento, assim que as notícias foram publicadas, “o Sr. Greenwald e o site de notícias foram objeto de uma enorme campanha de assédio online”. “As autoridades brasileiras não condenaram as ameaças violentas e, em algumas situações, replicaram uma campanha de desinformação lançada online, sugerindo que o Sr. Greenwald e o site de notícias conspiraram com agentes estrangeiros em um esforço de hacking para preparar esses relatórios com a intenção de ganho político pessoal”, denunciou. 

A carta ainda pede informações sobre quais medidas estão sendo tomadas para investigar as ameaças recebidas pelos jornalistas e “para processar e punir os responsáveis”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *