Grupos de fake news espalha slogans virais para enganar jornalistas, os “hackers de origem”

Abertas as inscrições para o 3º Seminário de Jornalismo Internacional ESPM e Columbia Journalism School
Uma manhã com José Mário Austregésilo: dicas de um bom jornalismo

Grupos de fake news espalha slogans virais para enganar jornalistas, os “hackers de origem”

Crédito: Divulgação

Um estudo do think tank digital Data & Society revela que os grupos que espalham fake news usam tipo de manipulação digital chamada de hackers de origem, com o objetivo de manipular jornalistas.  

O jornalista Mathew Ingram, editor-chefe da área digital do site Columbia Journalism Review (CJR),  diz que os hackers de origem são um conjunto de técnicas divididas pelos pesquisadores em quatro categorias:

– Slogan viral, que consiste em reembalar pontos de discussão reacionários para mídias sociais e amplificação da imprensa.

– O compartilhamento de documentos falsificados com o objetivo de chamar atenção de mídia;

– Postagens de documentos (geralmente imagens) com desinformação de várias fontes, para torná-las facilmente compartilháveis;

– Uso de expressões e contas “fantoches” para deturpar o comportamento de grupos ou indivíduos específicos.
Um dos casos mais recentes, envolveu a hashtagJobs Not Mobs“, onde os usuários criavam memes visuais, incluindo vídeos, para difamar a imagem de imigrantes nos Estados Unidos. O slogan circulou o Twitter e o Facebook, onde as contas automatizadas ajudaram a espalhar ainda  mais a desinformação, que findou sendo usada por Donald Trump, em um tweet. 
Para Joan Donovan, diretora do Projeto de Pesquisa em Tecnologia e Mudança Social da Kennedy School da Harvard University, e o pesquisador sênior Brian Friedberg, autores da pesquisa, os jornalistas podem piorar esse problema relatando esse tipo de campanha, pois, eles acreditam que é da parte de cada jornalista, entender se os slogans virais são uma consequência natural da atividade social ou de uma campanha planejada.

2 Comentários

  1. Bom Dia, sou jornalista e conselheiro da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e só hoje tomei conhecimento sobre a realização, no último 1/10, do 3° Seminário de Jornalismo Internacional ESPM e Clumbia Journalism School, aqui pela página dos senhores. As palestras e discussões ocorridas no 3° Seminário estariam disponíveis na Internet? Infelizmente não pude comparecer. Considero este assunto da maior relevância para o Brasil de hoje e ele tem sido uma de minhas grandes preocupações na ABI. Atenciosamente e antecipadamente agradecendo pelo retorno – Osvaldo Maneschy

  2. Bom Dia, sou jornalista e conselheiro da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e só hoje tomei conhecimento sobre a realização, no último 1/10, do 3° Seminário de Jornalismo Internacional ESPM e Clumbia Journalism School, aqui pela página dos senhores. As palestras e discussões ocorridas no 3° Seminário estariam disponíveis na Internet? Infelizmente não pude comparecer. Considero este assunto da maior relevância para o Brasil de hoje e ele tem sido uma de minhas grandes preocupações na ABI. Atenciosamente e antecipadamente agradecendo pelo retorno – Osvaldo Maneschy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *